Carnes mais saborosas

O churrasco brasileiro, consumido em todas as regiões, tem origem no Sul, mais especificamente na região de Sete Povos das Missões. Registros históricos dão conta de que, em meados do século XVII, jesuítas espanhóis se instalaram na região próxima à fronteira com a Argentina. No Rio Grande do Sul, e trouxeram com eles uma nova forma de assar a carne. Com o tempo, a técnica foi adaptada ao jeitinho brasileiro até chegar ao que conhecemos hoje. Estima-se que duas em cada três famílias brasileiras têm algum tipo de aparelho específico para assar carne. Seja churrasqueira a brasa, elétrica, a gás ou grill elétrico.

1. O carvão 

A escolha do carvão influencia diretamente no resultado do churrasco, porque afeta o sabor e o tempo de cozimento da carne. No Brasil, o carvão vegetal é o mais usado. Ele é produzido a partir da queima de madeira em um ambiente com pouco oxigênio. Isso faz com que tenha um alto poder de aquecimento e confira um sabor defumado à carne, que é o diferencial do churrasco brasileiro. Já no Uruguai, país que tradicionalmente também consome muita carne assada na brasa, nada de carvão. O preparo é feito com lenha de árvores nativas. 

2. A churrasqueira

Os diferentes tipos de churrasqueira têm características que podem afetar o sabor, a textura e o tempo de preparo da carne. O formato e o tamanho também fazem diferença: as maiores costumam permitir assar mais carnes ao mesmo tempo, mas demoram mais. Churrasqueiras elétricas e a gás não conferem sabor defumado ao preparo, mas também são bastante usadas por sua praticidade. As que funcionam a gás, por exemplo, têm controle de temperatura e isso ajuda a controlar o cozimento até o ponto ideal. 

3. Grelha ou espeto?

Na hora de escolher como assar a carne de churrasco, é importante levar em conta alguns fatores. Na grelha, a distribuição do calor é melhor e a carne não é furada, o que preserva o seu suco. Por outro lado, alguns cortes exigem muito tempo no calor, como ocorre com a costela e o cupim. Nesses casos, a melhor escolha é o espeto colocado a uma certa distância da brasa e que possa ser virado para que a carne asse de maneira uniforme e no tempo necessário.

88% dos brasileiros querem viver em uma casa que tenha churrasqueira.

66% é o percentual aproximado de brasileiros que costumam preparar churrasco em casa.

Churrasco Brasileiro

-O pico do consumo de carne no Brasil foi entre 2018 e 2019, quando o brasileiro comeu, em média, 42 quilos de carne bovina.

-O Mato Grosso do Sul é o estado que mais consome carne no país.

-Entre o primeiro e o segundo semestre de 2022, a produção de carne no Brasil cresceu mais de 5%.

-Um churrasco brasileiro entrou para o Guinness Book em 2020 como o maior do mundo. No evento, realizado em Goiânia/GO, foram servidas mais de 23 mil porções de churrasco em oito horas.

-Já no litoral do Rio Grande do Sul, outro evento contou com 15 mil apreciadores e mais de 2 mil assadores de carne também em 2020.

Lugar (in)comum

Além dos acompanhamentos aos quais praticamente todo brasileiro está acostumado (arroz, vinagrete, farofa e salada). É possível fazer um churrasco completo sem carne. Legumes como tomate, pimentão, cenoura e berinjela ficam ótimos quando assados na brasa. Além disso, pão de alho, queijo coalho, hambúrguer vegano feito com lentilha, grão-de-bico ou couve-flor. Por exemplo, espetinho de tofu e frutas como abacaxi, maçã e pêssego também ganham um sabor especial na churrasqueira. As frutas podem ser servidas como sobremesa acompanhadas de sorvete ou calda doce

Variedade

No Brasil, os cortes bovinos mais apreciados pelos fãs de churrasco são a picanha, a costela, a maminha e a fraldinha. Asinhas de frango, tulipas e linguiças também são muito comuns nas churrasqueiras brasileiras, mas é possível variar nos sabores. Para além do boi, do frango e do porco, há quem prefira animais exóticos, como javali, cordeiro, coelho, jacaré, codorna e capivara.

Ponto

Há quem diga que comer carne crua faz mal, mas isso é relativo. Já que as condições sanitárias de produção influenciam diretamente na qualidade. Por isso, é essencial adquirir carne somente de fornecedores certificados. No entanto, muitas vezes, o ponto da carne acaba gerando dúvidas e até mal-entendidos entre os apreciadores de churrasco. Malpassada, ao ponto ou bem-passada. Em termos gerais, o que muda é a temperatura e o tempo de cozimento. Quem torce o nariz para a carne malpassada, por causa do “sangue”, deve saber que, na verdade, o suco vermelho é uma proteína chamada mioglobina, encontrada nos músculos do animal e que, portanto, não tem relação alguma com sangramento.


Crédito | Fotos Shutterstock